Redescobrir o mundo rural

terça-feira, fevereiro 20, 2007

"Uma Aula Atribulada"




Carnaval tu és lindo
Uma festa sem igual
Tu serás sempre bem-vindo
Vem sorrindo Carnaval...


"Uma Aula Atribulada" é o tema do Bailinho de Carnaval das Crianças do Raminho.

Fizemos este bailinho
Hoje pela primeira vez
Com todo o nosso carinho
E respeito por vocês

Tudo começou por ser uma experiência. O Professor Eugénio Simas teve a iniciativa e os alunos não pararam de nos surpreender. Soubemos logo o que realmente importava, dinamizar no Horário Alargado actividades diferentes, com alguma originalidade, recriar um pouco da cultura e da identidade local ... e daí surgiu o interesse de todos para convertermos tudo isso num Projecto.


Hoje, pela primeira vez, estreamo-nos no palco da Sociedade do Divino Espírito Santo do Raminho. A Junta de Freguesia teve a seu cargo a transmissão em directo do ensaio, a partir de um Canal Audio na Internet e numa rádio local.


Aqui fica registado o assunto do nosso Bailinho!


Cena I

Somos professoras desta escola
É esta a nossa profissão
Tirem os livros da sacola
Porque vai começar a lição

A aula hoje vai ser
Um teste à vossa memória
Vamos começar por fazer
Uma pergunta de História

Senhora professora isso, eu sei
História é a minha especialidade
Eu toda a noite estudei
Pode perguntar à vontade

O menino que não dormiu
E estudou a noite inteira
Diga-me quem descobriu
O arquipélago da Madeira

Foi um homem que enfrentou
Tempestades e o mar ruim
Esse senhor era o avô
Do Dr. Alberto João Jardim

Pois eu já estava a ver
Que só podia sair asneira
Tenho outra pergunta p’ra fazer
Quem é que me sabe dizer
Quem foi Brianda Pereira?

Foi uma senhora que deu
Aos espanhóis um bom destino
E depois que os venceu
Também foi ela que vendeu
Os toiros ao José Albino

Pois isso, eu não sabia
Mas não faz mal nenhum
Com tanta sabedoria
Acho que a senhora devia
Dar um Muito Bom a cada um

Cena II


Agora gostava de saber
Sobre os meus meninos queridos
O que é que gostavam de ser
Quando forem crescidos?

P’ró governo eu quero ir
Eu gosto de ser famoso
E aí eu posso mentir
Sem me dizerem a seguir
Que eu sou mentiroso

Eu gosto é de descansar
Quando for grande faço assim
Escolho alguém para casar
Que goste de trabalhar
E o dinheiro é p’ra mim

E eu quero ser lavrador
Porque é isso que está a dar
Como sou muito trabalhador
Depois compro um tractor
Para o governo é que pagar

Eu só quero é estudar
Ser professora é o meu caminho
E quando começar a trabalhar
Venho aqui p’ró lugar
Das professoras do Raminho

Pode vir acontecer
Mas como isso não é já
Primeiro tem que aprender
E é preciso não esquecer
A ajuda que a escola dá

Mas agora o que acontece
Pelo trabalho que a gente fez
Veja lá se não se esquece
Porque acho que a gente merece
Um Muito Bom, outra vez

Cena III

E sobre o Meio Ambiente
Quem é que quer ser simpático?
E falar principalmente
Do mundo subaquático

Fiquei sabendo à bocadinho
Porque eu nem fazia ideia
De que tínhamos no Raminho
Uma Vigia de Baleia

Como eu nunca vi nenhuma
Acho que era necessário
Um dia caçarmos uma
E pô-la no nosso aquário

Mais fácil faz-se ao contrário
Como ela é grande que é uma coisa feia
Em vez da baleia no aquário
Põe-se o aquário na baleia

Vamos agora mudar de táctica
Nas perguntas a vocês
Temos um pouco de Matemática
Que é a parte mais dramática
Do ensino português

Vamos à primeira questão
Começando por perguntar
Dois e dois, quantos são?
É fácil é só somar

Dois e dois são vinte e dois
E vinte e dois são o que são
Não venha dizer depois
Que não estudamos a lição

Se tivessem sete ovos agora
Seis e mais um, vocês somavam
Depois tiravam três para fora
Com quantos ovos ficavam?

Aos ovos que a gente tinha
Até se podia somar mais um
Depois matava-se a galinha
Ficavam sem ovo nenhum

Três e quatro são sempre sete
E voltam a ser outra vez
Quando às vezes se mete
Quatro em cima de três

Com os números nunca brinco
Faça a soma que fizer
Três e dois também são cinco
É Muito Bom que a gente quer

Cena IV

Antes de irem para o recreio
Eu acho que não é demais
Falarmos do Estudo do Meio
Das plantas e dos animais

O animal é diferente
Raramente são iguais
Não há animal como a gente
Mas há gente como animais

Alguns que usam gravatas
E que passeiam pelas ruas
Só são diferentes nas patas
Neste caso só têm duas

Meninos muito bem
As asneiras foram tantas
Mas temos que falar também
Um pouco sobre as plantas

Gosto muito das bananeiras
Até já fiz um desenho
Com bananas da Madeira
Quase deste tamanho

Sobre a batata ninguém falou
Porque é diferente do repolho
Por não serem como eu sou
Já muita gente levou
Uma batata num olho

Pronto, acabou-se a lição
Só acho que é uma pena
Porque as respostas que vocês dão
Merecem uma nota pequena

Professora Eva e professora Aurora
Desculpem-nos algum engano
Pelo que dissemos pela boca fora
Se as notas fossem agora
Nenhum de nós passava o ano

FIM

O Autor: Domingos Dias

O Docente: Eugénio Simas








7 Comments:

At 6:11 da tarde, Anonymous ilhas said...

Então EVa vem ao EBIT ou não ? Contamos consigo.

 
At 10:37 da tarde, Blogger Joao Soares said...

Ola Eva e amiguinhos!!!
Parabéns pelo vosso trabalho.
Todos somos poucos em defesa da Terra, pelo tempo que urge em mudar.
Por isso coloquei um link do seu/vosso blogue na lista de blogues ambientais do Bioterra (lado esquerdo).

Um abraço
João Bioterra
http://bioterra.blogspot.com

 
At 2:38 da tarde, Blogger a lice said...

Parabéns pelo trabalho! Vi o resultado final e gostei!

Um abraço.

 
At 5:20 da tarde, Blogger Desambientado said...

Há brilho nos pinheiros,
Como candeeiros,
Para imitar as estrelas,
As cores não são delas:
São escapadelas,
Fugazes e belas.
Que tragam:
Um Feliz Natal
Descomunal…

Félix

 
At 9:35 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Eu gosto muito da vossa dança nos vimos o DED porque o professor Ojeni a mostro nos.

 
At 8:55 da tarde, Blogger Desambientado said...

Votos de um feliz 2009, Ano Internacional da Astronomia. Que os astros se conjuguem para lhe trazer tudo de bom.

Não se perca a felicidade,
Ou os anseios de amizade,
No Novo Ano ansiados,
Mas sempre retardados,
Pela guerra que se faz,
Sob este manto de estrelas,
Sem se perceber que há nelas,
Um desejo de cheiro a paz.

Félix Rodrigues

 
At 9:20 da tarde, Anonymous Hugo Costa ex.aluno said...

Prof. Eva bons tempos que passei na escola do Raminho com a senhora
adorei. beijinhos

 

Enviar um comentário

<< Home